1Ó Deus, tu és o meu Deus; de madrugada te buscarei; a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água,

2para ver a tua fortaleza e a tua glória, como te vi no santuário.

3Porque a tua benignidade é melhor do que a vida; os meus lábios te louvarão.

4Assim, eu te bendirei enquanto viver; em teu nome levantarei as minhas mãos.

5A minha alma se fartará, como de tutano e de gordura; e a minha boca te louvará com alegres lábios,

6quando me lembrar de ti na minha cama e meditar em ti nas vigílias da noite.

7Porque tu tens sido o meu auxílio; jubiloso cantarei refugiado à sombra das tuas asas.

8A minha alma te segue de perto; a tua destra me sustenta.

9Mas aqueles que procuram a minha vida para a destruírem irão para as profundezas da terra.

10Cairão à espada, serão uma ração para as raposas.

11Mas o rei se regozijará em Deus; qualquer que por ele jurar se gloriará; porque se tapará a boca dos que falam mentira.