1Louvai ao Senhor, porque ele é bom, porque a sua benignidade é para sempre.

2Digam-no os remidos do Senhor, os que remiu da mão do inimigo

3e os que congregou das terras do Oriente e do Ocidente, do Norte e do Sul.

4Andaram desgarrados pelo deserto, por caminhos solitários; não acharam cidade que habitassem.

5Famintos e sedentos, a sua alma neles desfalecia.

6E clamaram ao Senhor na sua angústia, e ele os livrou das suas necessidades.

7E os levou por caminho direito, para irem à cidade que deviam habitar.

8Louvem ao Senhor pela sua bondade e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens!

9Pois fartou a alma sedenta e encheu de bens a alma faminta,

10tal como a que se assenta nas trevas e sombra da morte, presa em aflição e em ferro.

11Como se rebelaram contra as palavras de Deus e desprezaram o conselho do Altíssimo,

12eis que lhes abateu o coração com trabalho; tropeçaram, e não houve quem os ajudasse.

13Então, clamaram ao Senhor na sua angústia, e ele os livrou das suas necessidades.

14Tirou-os das trevas e sombra da morte e quebrou as suas prisões.

15Louvem ao Senhor pela sua bondade e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens!

16Pois quebrou as portas de bronze e despedaçou os ferrolhos de ferro.

17Os loucos, por causa do seu caminho de transgressão e por causa das suas iniquidades, são afligidos.

18A sua alma aborreceu toda comida, e chegaram até às portas da morte.

19Então, clamaram ao Senhor na sua angústia, e ele os livrou das suas necessidades.

20Enviou a sua palavra, e os sarou, e os livrou da sua destruição.

21Louvem ao Senhor pela sua bondade e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens!

22E ofereçam sacrifícios de louvor e relatem as suas obras com regozijo!

23Os que descem ao mar em navios, mercando nas grandes águas,

24esses veem as obras do Senhor e as suas maravilhas no profundo.

25Pois ele manda, e se levanta o vento tempestuoso, que eleva as suas ondas.

26Sobem aos céus, descem aos abismos, e a sua alma se derrete em angústias.

27Andam e cambaleiam como ébrios, e esvai-se-lhes toda a sua sabedoria.

28Então, clamam ao Senhor na sua tribulação, e ele os livra das suas angústias.

29Faz cessar a tormenta, e acalmam-se as ondas.

30Então, se alegram com a bonança; e ele, assim, os leva ao porto desejado.

31Louvem ao Senhor pela sua bondade e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens!

32Exaltem-no na congregação do povo e glorifiquem-no na assembleia dos anciãos!

33Ele converte rios em desertos; nascentes, em terra sedenta;

34a terra frutífera, em terreno salgado, pela maldade dos que nela habitam.

35Converte o deserto em lagos e a terra seca, em nascentes.

36E faz habitar ali os famintos, que edificam cidade para sua residência,

37e semeiam campos, e plantam vinhas, que produzem fruto abundante.

38E ele os abençoa, de modo que se multiplicam muito; e o seu gado não diminui.

39Mas outra vez decrescem e são abatidos, pela opressão, aflição e tristeza.

40Derrama o desprezo sobre os príncipes e os faz andar desgarrados pelo deserto, onde não há caminho.

41Mas ele levanta da opressão o necessitado, para um alto retiro, e multiplica as famílias como rebanhos.

42Os retos veem isto e alegram-se, mas todos os iníquos fecham a boca.

43Quem é sábio observe estas coisas e considere atentamente as benignidades do Senhor.